Previous
Next
VISITAR > Flor Histórica > Campo Maior Romano
CAMPO MAIOR ROMANO

A Presença Romana em Campo Maior

A ocupação romana em Campo Maior, território situado no eixo viário Emerita-Olisipo (actuais Mérida e Lisboa), está atestada por achados dispersos mas, sobretudo, por uma rede de sítios arqueológicos bem documentados, de entre os quais se destacam as villae rurais de São Salvador e Argamassas, o sítio romano da Defesa de São Pedro, a Ponte da Enxara e a Barragem do Muro. 

Junto ao Rio Xévora, na freguesia de São João Baptista, encontra-se a villa de São Salvador, onde foram colocados a descoberto vários compartimentos de habitação, alguns deles com mosaicos e pinturas murais em muito bom estado de preservação.

As escavações arqueológicas realizadas na villa romana das Argamassas (situada na herdade com o mesmo nome) vieram confirmar a importância deste sítio, já conhecido desde a década de oitenta. Trata-se de uma villa da época romana imperial, cujo espólio permite estabelecer uma baliza cronológica muito lata, situada entre os séculos I e VI e, em alguns compartimentos, uma cronologia mais tardia, centrada nos séculos IV/V.

Na Defesa de São Pedro, em plena vila actual de Campo Maior, foram levadas a cabo várias intervenções arqueológicas que evidenciaram a presença de construções romanas datadas do século I até aos V/VI. Os vestígios arqueológicos identificados neste sítio indiciam um importante aglomerado urbano.

Localizada na freguesia de São João Baptista, a Ermida de São Pedro foi também sujeita a trabalhos arqueológicos no decurso dos quais foram identificados vestígios ocupacionais do período tardo-romano.

Para além dos sítios mencionados, em Campo Maior há registo de um grande número de achados isolados do período romano. Exemplos disso são os vestígios dispersos encontrados em Casarões e na Herdade da Olivã; o turibulum encontrado na Herdade da Lapagueira; a sepultura romana de Valada e a Necrópole do Monte da Sardinha; os materiais de construção de Monte dos Surdos, Eiras do Pompílio, Monte dos Castros, Cabecinha de Lebre e Monte da Eira; as inscrições da Tapadas da Pombinha e São Pedro dos Pastores e, ainda, os vestígios das barragens romanas do Muro, Olivã e Mourinha.

Na antiga província da Lusitânia, a capital, Emerita Augusta (Mérida), era um dos principais pólos imperiais do sistema viário.

Sabemos que partiam desta cidade, pelo menos, três vias para ocidente. A proximidade de Mérida parece justificar a densidade de vias de comunicação na região de Campo Maior durante o período romano. Um dos seus principais elementos de articulação é o nó viário de Ad Septem Aras – referido no Itinerário de Antonino.

Próximo do sítio romano de São Pedro, junto à Misericórdia de Campo Maior, foram descobertos dois marcos miliários que poderão estabelecer uma ligação entre este local e a antiga rede viária. Neste ponto cruzar-se-iam, eventualmente, três vias: a via secundária que ligaria Ad Septem Aras à Via Ebora-Emerita Agusta, a Via 14 Olisipo- Emerita Augusta e a Via 15 Olisipo-Emerita-Augusta.

No concelho de Campo Maior, nas proximidades de Ouguela e do Santuário de Nossa Senhora da Enxara, existem vestígios de uma ponte cuja cronologia ainda não foi estabelecida. Trata-se de um monumento bastante arruinado que teria servido para fazer a travessia do rio Xévora, numa zona coincidente com o itinerário da via romana que ligava Emerita Augusta a Olisipo. A ponte de Nossa Senhora da Enxara sobre o Rio Xévora faz hoje parte do itinerário das Pontes Históricas do Alentejo.

As Vias Romanas

A Construção de uma rede viária que garantisse a ligação entre as principais unidades políticoadministrativas constituíu um dos mais importantes investimentos do Império Romano.

O trajecto do viajante, ao longo destas vias pavimentadas com grandes lages de pedra, era pontuado por colunas cilíndricas (marcos miliários) que indicavam as distâncias entras as principais cidades, bem como o nome do imperador que as mandara erigir. Muitas estradas desta época foram estabelecidas sobre caminhos que já existiam antes da chegada dos Romanos, sendo que nem todas chegavam a ser calcetadas e serviam para fazer a ligação

entre povoações mais pequenas – eram as chamadas “vias secundárias”.

Um outro aspecto que caracteriza o sistema viário do período romano é a adopção de soluções eficazes para transpor os cursos de água, como as pontes. Apenas as estradas principais teriam pontes de pedra na travessia dos rios. Na maioria dos casos, os cursos de água eram transpostos de barco, a vau, ou por meio de plataformas de madeira colocadas sempre que as margens do rio, bem como o caudal, o permitiam.